Vendas na Páscoa deve crescer em 2010

Em 2010, o aumento das vendas de produtos relacionados à Páscoa deve ultrapassar os 7% este ano na comparação com o mesmo período de 2009, segundo estimativa das empresas filiadas à Abicab (Associação Brasileira de Chocolate, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados). Na Páscoa passada houve um aumento de 7,2% nas vendas em relação a 2008 e movimentação de R$ 736 milhões, segundo a consultoria Nielsen.

A previsão de superar os números do ano passado é vista como obrigação pelo setor, já que no ano passado havia uma desconfiança do consumidor por causa da crise econômica mundial. Segundo Ricardo Barsani, gerente de marketing da Nestlé, a crise econômica “foi vista com muito mais cautela pela indústria que pelo consumidor”, que foi às compras no ano passado. O presidente da Abicab, Getúlio Ursulino Neto, prefere não arriscar números para 2010, mas garante que, para o comércio, apostar em chocolate é retorno garantido. – Eu não sei o tamanho dessa Páscoa.

A demanda de chocolate no ano passado, com crise e tudo, cresceu 4%. Estamos otimistas para este ano porque quase 80% dos produtos são novidade. Páscoa é o seguinte: que brasileiro não se julga no direito de ganhar um ovo de Páscoa? Nem que seja um ovinho? Então, é quase que jogar certo.

Apesar dos aumentos dos preços da manteiga de cacau, que é vendida em dólar, e do açúcar, fizemos um gerenciamento interno que vai garantir preços [de ovos de chocolate] mais em conta. O reajuste vai acompanhar a inflação do período [dos últimos 12 meses]. A Garoto também guarda a previsão de vendas de chocolate na Páscoa 2010 a sete chaves, mas André Barros, gerente de marketing da empresa, demonstra otimismo com base no resultado da Páscoa passada. A empresa, que deve disponibilizar para o mercado 20 milhões de ovos de Páscoa neste ano.

A indústria de chocolate descarta perder vendas por causa das altas temperaturas registradas nos últimos dias. Para o gerente de marketing da Garoto, não há o que temer quanto ao calor porque “há uma tradição muito grande”. Além do costume, o setor se precaveu para entregar as mercadorias em segurança, afirma gerente da Lacta.

“A indústria de chocolate descarta perder vendas por causa das altas temperaturas registradas nos últimos dias. Esta época [de Páscoa] sempre foi quente no Brasil. No Nordeste, onde é muito mais quente que no Sudeste, por exemplo, vendemos 20% mais em 2009 [em relação a 2008]. Não acho que o calor vá atrapalhar.” Diz o gerente.

Fonte: de R7.com

(Visited 8 times, 1 visits today)