Vacina contra o HPV

Mais uma arma para evitar esta doença!

Já chegaram ao Brasil as vacinas para prevenir a infecção pelo HPV.

Há uma centena de tipos de HPV, mas a maioria das infecções é causada por apenas quatro deles. As versões 16 e 18 do vírus são responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero. Já os HPV 6 e 11 respondem por 90% das verrugas genitais.Fabricada pelo laboratório Merck Sharp & Dhome, a Vacina Quadrivalente contra o HPV protege contra quatro tipos do vírus – o 6, 11, 16 e 18 -, que são responsáveis por 70% dos casos de câncer do colo de útero e por 90% das verrugas genitais e está indicada em mulheres entre 9 e 26 anos de idade.

A Med Imagem é a primeira clínica do Piauí a disponibilizar a vacina contra HPV para mulheres de 9 a 26 anos de idade. A novidade protege contra os quatro subtipos mais comuns do vírus. Mas antes de qualquer coisa, a principal forma de prevenção ao HPV – assim como de outras doenças sexualmente transmissíveis – é a informação. Entenda o que é HPV e aprenda a evitá-lo.   (medimagem)

O que é HPV?

O HPV, Human Papiloma Virus, é um vírus que vive na pele e nas mucosas genitais tais como vulva, vagina, colo de útero, e pênis.
Nos genitais existem duas formas de manifestação clínica.

  1. As verrugas genitais que aparecem na vagina, pênis e anus.
  2. Existe uma outra forma, que é microscópica, que aparece no pênis, vagina e colo de útero.

Trata-se de uma infecção adquirida através de contato sexual.
O mais importante nesta doença é que existe uma associação entre alguns grupos de papiloma vírus e o câncer de colo de útero. Seu diagnóstico de suspeita é feito através do papanicolau ou a colposcopia e o diagnóstico de certeza é feito através de biópsia da área suspeita. Existem também exames que identificam o tipo do vírus e se os mesmos são cancerígenos. O tratamento do HPV é por destruição química ou física das lesões sempre indicado e realizado por médico especialista. O Papiloma Virus ou Human Papiloma Virus pode se alojar tanto no colo do útero como na vagina e na vulva. Na vulva ele causa a doença chamada condiloma genital ou popularmente conhecida no Brasil como “crista de galo”. Na vagina e no colo do útero ele normalmente se apresenta com lesões microscópicas que só podem ser descobertas através do exame de papanicolau ou a colposcopia. No homem ele pode se manifestar por verrugas no pênis ou de maneira microscópica. É muito importante que o parceiro seja encaminhado para exame com um urologista para procura de lesões e tratamento se forem encontradas.

A vacina Quadrivalente contra HPV, lançada há pouco tempo e que acaba de chegar ao Piauí, é outra forma de prevenção. A vacina atua contra o subtipos 6, 11, 16 e 18, os mais freqüentes do Papiloma Vírus, e pode ser utilizada por mulheres de 9 a 26 anos de idade que ainda não tenham iniciado a vida sexual.

Sendo assim, a manutenção de relações sexuais com um parceiro fixo e confiável torna-se outra arma indispensável.

“Para transmissão do HPV basta o contato entre o órgão sexual masculino e a vulva da mulher. Como a camisinha não protege a totalidade do pênis, é possível contrair HPV mesmo usando o preservativo. Mas é lógico que, com a proteção, as chances de adquirir a doença são reduzidas”, ressalta a citopatologista da Med Imagem, Fabiana do Monte. 

A prevenção ao HPV, assim como de outras doenças sexualmente transmissíveis, passa pelo uso de preservativos durante as relações sexuais. A camisinha reduz a possibilidade de transmissão da doença, apesar de que nem mesmo esse método é totalmente eficaz.(Medimagem)

Mesmo com a vacina não podemos esquecer que a principal medida ser tomada é o uso da camisinha, não só para se prevenir do HPV, mas de muitas outras doenças tão ou mais sérias como essa, além de gravidez fora de hora. Os cuidados pessoais e a nossa conscientização são os melhores aliados na hora de manter uma boa saúde, livre de todos esses males. No caso de contrair uma DST, o melhor procedimento é se informar bastante sobre o assunto e procurar o tratamento mais adequado, conversando e tirando todas as suas dúvidas com o seu médico.

HPV atinge 30% das mulheres
Estimativas apontam que o Papiloma Vírus Humano (HPV) atinge 30% das mulheres entre 15 e 60 anos. Mas muitas pessoas são portadoras sem apresentar sintomas, apesar de continuarem transmitindo o vírus.

 

O HPV (sigla em inglês para Human Papiloma Virus) é uma família de vírus com mais de 80 tipos. Enquanto alguns deles causam apenas verrugas comuns no corpo, outros infectam a região genital, podendo ocasionar lesões que, se não tratadas, se transformam em câncer de colo do útero. Geralmente, esta infecção não resulta em câncer. Mas é comprovado que 99% das mulheres que têm câncer do colo uterino, foram antes infectadas por este vírus. No Brasil, cerca de 7 mil mulheres morrem anualmente por esse tipo de tumor.

Sintomas e diagnóstico

– Na maioria das vezes, a infecção pelo HPV não apresenta sintomas. O vírus pode ficar instalado no corpo por muito tempo sem se manifestar, apesar de poder ser transmitido. Pode entrar em ação em determinadas situações como na gravidez ou numa fase de estresse, quando a defesa do organismo fica abalada.
– A mulher tanto pode sentir uma leve coceira, ter dor durante a relação sexual ou notar um corrimento. O mais comum é ela não perceber qualquer alteração em seu corpo.
– O diagnóstico de suspeita do HPV é feito através dos exames de papanicolau ou a colposcopia e o diagnóstico de certeza é feito através de biópsia da área suspeita. Existem também exames que identificam o tipo do vírus e se os mesmos são cancerígenos. 

 

Tratamento

– Uma vez detectado, e se está causando lesão específica, as células do local devem ser submetidas a destruição química ou física. O procedimento deve sempre ser indicado e realizado por médico especialista.
– Em seus estágios iniciais, as doenças causadas pelo HPV podem ser tratadas com sucesso em cerca de 90% dos casos, impedindo que a paciente tenha maiores complicações no futuro.
– O HPV pode ser controlado, mas ainda não há cura contra o vírus. Deve ser feito o acompanhamento sistemático.
– A melhor arma contra o HPV é a prevenção e se fazer o diagnóstico o quanto antes. 

 

Prevenção

– Manter cuidados higiênicos
– Ter parceiro fixo ou reduzir o número de parceiros
– Usar preservativos em todas as relações sexuais
– Visitar regularmente seu ginecologista para fazer todos os exames de prevenção
– É importante que o parceiro também procure um médico para verificar se ele está com o vírus.

(Visited 33 times, 1 visits today)