INCA faz recomendações para prevenção do câncer de mama

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) divulgou essa semana, sete recomendações para a prevenção e identificação do câncer de mama. Entre as indicações, o instituto defende que toda mulher com suspeita da doença tenha o direito de receber diagnóstico no prazo máximo de 60 dias. O Inca, no entanto, lembra que a lista não tem caráter de lei e que a aplicação das orientações é responsabilidade de cada município ou Estado.

A ideia é reduzir a mortalidade por câncer de mama no Brasil que chega a cerca de 11 mil mortes por ano no país.

Destinado à população em geral e a profissionais e gestores do Sistema Único de Saúde, o documento faz parte das comemorações do Outubro Rosa, mês de mobilização mundial em torno do tema.

Além da questão do prazo máximo para o resultado, consta da lista a necessidade de as mulheres entre 50 anos e 69 se submeterem ao exame de mamografia a cada dois anos.

Quanto ao prazo de dois meses para o exame, segundo Corrêa, este é o tempo que melhor atende aos diferentes tipos de tumor e suas diferentes velocidades de evolução.

Certificação
Outro ponto que deve ser observado pelas mulheres é se o local em que o exame de mamografia for realizado tem certificado de qualidade. As recomendações foram divulgadas no mês chamado de “Outubro Rosa”, em que o Inca promove uma série de ações de alerta para o câncer de mama.

Veja as sete recomendações do INCA:

  • toda mulher tenha amplo acesso à informação com base científica e de fácil compreensão sobre o câncer de mama;
  • toda mulher fique atenta aos primeiros sinais e sintomas da doença e procure avaliação médica;
  • toda mulher com nódulo palpável na mama e outras alterações suspeitas tenha direito a receber diagnóstico no prazo máximo de 60 dias;
  • toda mulher de 50 a 69 anos faça mamografia a cada dois anos.
  • todo serviço de mamografia participe do Programa de Qualidade em Mamografia. A qualificação, quando obtida, deve ser exibida em local visível às usuárias;
  • toda mulher saiba que o controle do peso e da ingestão de álcool, além da amamentação e da prática de atividades físicas, são formas de prevenir o câncer de mama;
  • a terapia de reposição hormonal, quando indicada no período pós-menopausa, deve ter rigoroso acompanhamento médico porque essa terapia aumenta o risco de câncer de mama.

Fonte: correiodoestado.com.br

(Visited 21 times, 1 visits today)