Conheça os tratamentos para a reprodução humana assistida que prometem auxiliar casais em busca de um herdeiro e tratar as causas da infertilidade

Sentir os primeiros movimentos do bebê dentro do ventre é uma das mais emocionantes sensações ao tornar-se mãe. Para muitas mulheres, gerar uma criança é a plena realização da natureza feminina, coroando a união do casal. Porém, atualmente, um em cada dez casais enfrentam dificuldades para ter um filho.

O que fazer quando a cegonha parece ter esquecido do seu endereço e todas as suas tentativas não apresentam sucesso? O simples fato de reconhecer que você e seu parceiro têm um problema de fertilidade representa um importante passo, que leva o casal a procurar ajuda médica especializada.

De acordo com o ginecologista e obstetra Dr. Paulo Eduardo Olmos, se a mulher tem relações sexuais regularmente, ovulações saudáveis e está tentando engravidar há mais de um ano, é indicado que ela procure um médico. “Quanto mais próxima dos 35 anos estiver, mais urgente deve ser iniciado o tratamento de reprodução assistida, já que a fertilidade da mulher diminui após esta idade.”, alerta o médico.

A cada ciclo menstrual de uma mulher comum, cuja idade reprodutiva se finda por volta dos 48 anos de idade, há 15% de chances de engravidar. As principais causas da infertilidade feminina são relacionadas a problemas no ovário, distúrbios na captação de espermatozóides pelo colo do útero, alterações nas trompas e dificuldades na aderência da cavidade uterina.

Já o homem, ao ejacular, libera em média 20 milhões de espermatozóides por mililitro. Por relação, ele pode lançar de dois a cinco mililitros, isto é, a cada ejaculação o homem libera no útero da mulher um número que varia entre 40 e 100 milhões de espermatozóides. Porém, quando o parceiro é infértil a produção de esperma torna-se inadequada e os problemas podem ser decorrentes de infecções, ausência de espermatozóides, alterações genéticas e traumas.

Um fator importante que prejudica a fertilidade é o fato das mulheres priorizarem a carreira profissional, adiando a chegada da maternidade. “Com o aumento da idade, a capacidade ovulatória da mulher diminui muito e com isso há uma maior necessidade de se recorrer a tratamentos que utilizam técnicas mais avançadas de estímulo da ovulação para se alcançar a gravidez”, avisa a doutora em ginecologia Rosa Maria Neme.

Formas de tratamento

Realizar um diagnóstico correto é essencial para a escolha da terapia apropriada, já que diversos procedimentos podem ser utilizados para a fertilização. A reprodução assistida consiste em todo o procedimento que envolve a intervenção de técnicas médicas e laboratoriais no processo de fecundação. Atualmente, há diversos tipos de tratamento que, em 90% dos casos, apresentam sucesso no sonho de ser mãe. Os recursos variam entre tratamentos de baixa e de alta complexidade. São considerados tratamentos de baixa complexidade a indução da ovulação e a inseminação intra-uterina; e de alta complexidade a fertilização in vitro e a injeção intra-citoplasmática de espermatozóides.

A indução da ovulação é quando o médico analisa o ciclo menstrual da mulher e indica a data e o horário da ovulação, período em que a mulher apresenta o ápice de fertilidade. O procedimento custa entre R$ 500,00 e mil reais, dependendo do tipo de medicação utilizada para a estimulação.

Outra alternativa é a inseminação artificial, na qual os ovários da mulher são estimulados para produzirem cerca de quatro óvulos, ao invés de apenas um. Então, o sêmen do parceiro é preparado em laboratório e colocado dentro do útero da mulher na época correspondente à ovulação, que é controlada pelo médico. O método custa cerca de R$ 3 mil, valor que envolve o custo das medicações para indução da ovulação, preparo do sêmen e o custo dos honorários do médico especialista.

Este tratamento é indicado aos casais que apresentam uma sub-fertilidade, em casos em que a mulher tem dificuldade de ovular, ou que o homem apresenta alterações na quantidade ou na qualidade da mobilidade dos espermatozóides.

Na fertilização in vitro, os ovários são estimulados para produzirem uma grande quantidade de óvulos. Em laboratório, o sêmen do parceiro é colocado em contato com os óvulos, que são coletados através de uma punção dos ovários, na época correspondente à ovulação. Estes espermatozóides fecundarão os óvulos, formando os embriões e estes serão transferidos, para o útero da mulher, em um período entre 48h e 72h após a aspiração dos óvulos. O método custa em média R$ 15 mil e envolve as medicações para indução da ovulação, em torno de R$ 6 mil, e uso do laboratório de reprodução assistida. O tratamento é aconselhado para casais que apresentam infertilidade por um fator mais grave, como a endometriose avançada, obstrução das tubas uterinas bilateralmente, ou quando o homem apresente uma alteração mais grave em relação ao número, mobilidade e forma dos espermatozóides.

Nestes casos, também é indicado o tratamento através da injeção intracitoplasmática (ISCI). Após a estimulação dos ovários da mulher, o sêmen do parceiro é coletado através de masturbação ou punção dos testículos ou epidídimo, e o espermatozóide é colocado diretamente dentro de cada óvulo. Neste caso o preço do tratamento é mais salgado e varia entre R$ 15 mil e R$ 20 mil.

Em alguns casos, o casal também pode recorrer à “barriga de aluguel”, método no qual o ovário da mãe verdadeira é estimulado através de medicamentos, enquanto o útero de uma outra mulher é preparado para receber a criança. Em geral, o procedimento adotado é a fertilização in vitro, quando são retirados óvulos da mãe e espermatozóides do pai, para serem fertilizados em laboratório. Em seguida, cerca de dois embriões são transferidos para o útero da mulher. Nesta técnica, a probabilidade de nascerem gêmeos é de 30% e o custo por tentativa é de cerca de R$ 11 mil, além de R$ 4 mil a R$ 5 mil que são gastos com o medicamento.

Diversos fatores, como a idade da mulher e a qualidade e a quantidade do esperma produzidos pelo homem, são levados em conta quando o casal opta pelas terapias da reprodução assistida. “A idéia é promover um tratamento que se encaixe perfeitamente nas necessidades do casal e que tenha grandes chances de resultar em uma gestação.”, indica o ginecologista Paulo Olmos.

É importante salientar que em qualquer tratamento que aumenta a quantidade de óvulos disponíveis aos espermatozóides, aumentam-se também as chances de gestação de bebês gêmeos.

Outra dica é procurar centros de reprodução assistida que sejam respeitados no meio médico e que apresentem certificações perante as sociedades médicas. O SUS (Sistema Único de Saúde) oferece atendimento grátis para casais inférteis, apesar de os medicamentos não serem custeados pelo Sistema. Neste caso, em uma fertilização in vitro, por exemplo, são necessários aproximadamente R$ 4 mil com medicações. Confira abaixo algumas clínicas especializadas em reprodução humana:

Centros médicos

São Paulo

Clínica e Centro de Pesquisa em Reprodução Humana Roger Abdelmassih

Avenida Brasil, 1085 – Jardim América

Tel.: (11) 3087-1555

Site: www.abdelmassih.com.br

Clínica de Reprodução Humana Dr Gilberto da Costa Freitas

Alameda Santos 211, Cj.1304

Ed. Paulista Boulevard – Cerqueira César

Tel.: (11) 3284-2077

Célula Mater

Al. Gabriel Monteiro da Silva, 802 – Jd Paulistano

Tel.: (11) 3085-4099

Site: www.celulamater.com.br

Centro de Investigação em Reprodução Humana Dr. Carlos Roberto Izzo

Al. Gabriel Monteiro da Silva, 602 – Jd. Paulistano

Tel.: (11) 3083-2414 / 3083-2866

Site: www.cirh.com.br

Centro de Reprodução Humana Fertivitro

Av. Indianópolis, 843

Tel.: (11) 5081-2031

Site: www.fertivitro.com.br

Rio de Janeiro

Clínica Dale

Rua Lauro Müller, 116-903 – Botafogo

Tel.: (21) 2543-1355 / 2542-1996

Site: www.clinicadale.com.br

Clínica Origen – Unidade Rio de Janeiro

Av. Rodolfo de Amoedo, 140 – Barra da Tijuca

Tel.: (21) 2128-5353

Site: www.origen.com.br

Clínica Pró-Nascer

Av. Armando Lombardi, 1000 Bl. 1 sala 123 – Centro Médico Barra Life

Tel.: (21) 3171-7872 / 3171-7872

Site: www.pronascer.com.br

Huntington Medicina Reprodutiva – Unidade Rio de Janeiro

Rua Joana Angélica, 228 – Ipanema

Tel.: (21) 2247-0818 / 2247-0919

Site: www.huntington.com.br

Belo Horizonte

Clínica Origen – Unidade Belo Horizonte

Av. do Contorno, 7747 – Lourdes

Tel.: (31) 2102-6363 / 2102-6334

Site: www.origen.com.br

Clínica Pró-Criar / Mater Dei – Belo Horizonte

Rua Alvarenga Peixoto 1379 – Santo Agostinho

Tel.: (31) 3292-5299

Site: www.pro-criar.com.br

Instituto de Saúde da Mulher

Rua dos Otoni, 745

Tel.: (31) 3273-1950

Site: www.ism.med.br

Por yahoo

(Visited 74 times, 1 visits today)