Aparelhos ortodônticos podem conter bactérias que não deveriam estar na boca

A boca humana é repleta de bactérias, e algumas delas até mesmo ajudam a manter a boa saúde bucal. E segundo estudo recente que encontrou micróbios potencialmente patogênicos em pelo menos 50% dos aparelhos estudados pela equipe, conclui que aparelhos ortodônticos podem reter mais do que restos de comida na armação.

Os cientistas analisaram a presença de bactérias que normalmente não deveriam estar dentro da boca, dando destaque às espécies Candida e Staphylococcus. Essas bactérias são especialmente problemáticas para pessoas que têm o sistema imunológico comprometido e podem ser muito resistentes a antibióticos.

Em um experimento, os pesquisadores pegaram amostras das bocas de pessoas que não usavam aparelhos ortodônticos, ou que usavam um dos dois tipos mais comuns. Os aparelhos móveis oferecem um risco especialmente alto de contaminação, já que são frequentemente retirados da boca. As bactérias estavam presentes em 66,7% e 50% dos dois tipos de aparelhos, sendo encontradas também nas bochechas e línguas dos participantes que usavam aparelhos.

“Com a crescente consciência que o público tem de infecções adquiridas em hospitais é importante estar ciente de outros ‘reservatórios escondidos’ potenciais de bactérias nocivas que poderiam ser introduzidas a ambientes onde nós sabemos que elas podem causar problemas”, diz o Dr. Jonathan Pratten, líder da pesquisa.

O estudo sugere que existe uma necessidade de melhora nos produtos de limpeza de aparelhos e também de desenvolvimento de métodos mais eficientes de limpeza. A boa higiene é a melhor forma de impedir a transmissão das bactérias.

Fonte: EurekAlert!

(Visited 40 times, 1 visits today)