Vergonha de Sex Shop, só a minha vó!

Comprar – taí um dos verbos preferidos do sexo feminino. De preferência sapatos! Nós, mulheres, e a inexplicável atração por calçados. Mas a gente também não resiste a bijuterias, blusinhas cor-de-rosa, brancas, pretas básicas, cremes anti-rugas, anti-celulite, anti-estria, calcinhas que não cabem mais na gaveta e até, confessa!, tupperware…

Como se não bastasse tantos objetos de consumo, o mulheril está invadindo um segmento um tanto mais, como dizer, estimulante… Em bom português, o dos maravilhosos, curiosos e agora imprescindíveis produtos eróticos. Isso mesmo, com vergonha de entrar na sex shop ficava a sua avó. Hoje em dia, a gente não só entra (sem apelar pros óculos escuros!), como observa tudo tintim por tintim, escolhe, experimenta e ainda volta para ver se chegou novidade! A procura é tanta que já surgiram as primeiras sex shops especializadas no público feminino, no Rio de Janeiro e em São Paulo. A idéia veio de fora: há cerca de quatro anos, foi aberta em Paris a primeira sex shop só para mulheres.

 

Os brasileiros, especialmente, as brasileiras gostaram e copiaram. Nas sex shops femininas, homem não entra e a gente pode ficar bem à vontade para comprar os produtos de maior interesse. Quais são eles? “O produto mais conhecido e comentado no momento é o vibrador ´Rabbit´. Tudo por causa do seriado ´Sex and the City´, em que uma das personagens se trancou uma semana no quarto na companhia de um desses”, revela.

Na dúvida entre o rabbit, a borboleta, a conchinha, ou coisinhas mais básicas como óleos e algemas, o ambiente é o ideal para se sentir em casa.Uma idéia discreta é comprar pela internet.

Todo mundo tem liberdade, todo mundo faz sexo, sabe que o outro faz e não há nada de mal em querer dar uma incrementada.

 

Além de prateleiras e prateleiras lotadas de apetrechos para levar pra cama, as novas sex shops também oferecem cursos para melhorar o desempenho sexual, como de pompoarismo, strip tease e sexo oral. Desse jeito, os homens não perdem por nos esperar!
A geração mais jovem encara o sexo com mais tranqüilidade, pois tem mais acesso a informações e aula de educação sexual na escola desde cedo. Com isso, foi por terra o mito de que sexo é feio, ou não pode. A mulher sabe que não está fazendo nada errado, portanto, está mais consciente do seu direito de ter prazer e vai em busca dele. A idéia de ter um espaço só para mulheres faz com que elas se sintam mais à vontade. A mulherada mostra que sabe o que quer – na cama, principalmente!

 

fonte planetadamulher

(Visited 29 times, 1 visits today)